quarta-feira, 8 de julho de 2015



"Eu vou escrevendo a minha história. Ora com lápis clarinho quase invisível, que são os momentos silenciosos, onde os rabiscos saem tímidos, quase sem querer. Ora com caneta preta, vermelha, forte, grifando bem as palavras para eu não me esquecer."
Por Ita Portugal