quinta-feira, 30 de abril de 2015


"Duas almas singulares descobrindo da amizade seus pares, formando assim um eterno laço. E de um abraço, um carinho, um elogio singelo e amoroso. Um apelido fofo e manhoso, e depois risadas e beijinho… Descobrindo assim de pouco. Um sentimento de imenso calor, descobrindo que está louco, descobrindo o amor. Um momento de espanto, a sensação de que algo está errado, de que eram apenas amigos no passado, e agora se amam tanto… E percebem que sempre foi assim, que este amor sempre existiu, que essa chama nunca se extinguiu, que se encontraram enfim. E logo notaram como é boa a vida, quando descobrem um sentimento, que já existia, esquecido por dentro, mas revivido em uma amizade."

terça-feira, 28 de abril de 2015


"Conta pra mim de onde a gente se conhece. De onde vem essa repentina admiração tão perene. De onde vem o sentimento de que nossas almas dialogavam muito antes dos nossos olhos se tocarem. Conta por que tudo o que é precioso no seu mundo me parece que já era também no meu. De onde vem esse bem-querer assim tão fácil, assim tão fluido, assim tão puro. Conta de onde vem essa certeza de que, de alguma maneira, a minha vida e a sua seguirão próximas, como eu sinto que nunca deixaram de estar.
Conta pra mim por que, por mais que a gente viva, o amor nos surpreende tanto toda vez que vem à tona."

Por Ana Jácomo

segunda-feira, 27 de abril de 2015


"Se doeu tem que falar. Se incomodou tem que explicar. Se tá ruim tem que ajeitar. Se estragou tem que consertar. Ou então jogar fora. Entende? Não dá para passar a vida inteira com as coisas entaladas na garganta, feito espinha de peixe que não desce e arranha toda vez que a gente engole."

"Não exagere, menina.
Siga seu coração, mas mude a rota quando os caminhos forem tortuosos.
Tire as minhocas da cabeça, deixe espaço para as flores.
Quem sofre demais sempre vai servir de trampolim para quem sofre de menos."

Por Flávia Queiroz

Quem gosta da própria vida não tem tempo, nem interesse em cuidar da vida dos outros.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Feliz dia do beijo pra todos nós!





Beijar é simples, não custa nada, nenhum centavo, não dói, não machuca, não requer grande esforço físico, não necessita filosofia, elucubrações, teses ou catequeses. A magia não depende do beijo, mas de quem se beija, a química da pele, do sentimento e do calor do momento.

Há beijos de amor, de amizade, de paixão, de desejo. Beijos que seduzem, beijos que conquistam. Beijos de despedida, que selam uma história ou um recomeço.

O beijo despretensioso no rosto, o respeitoso da testa, o submisso nas mãos, até os beijos mais calorosos recheados de erotização e sentimentos de entrega afetiva e sexual, os demorados, intensos, saborosos, rápidos, ardentes, molhados, secos, lentos, sem língua, com língua, selinho, mordido, com os olhos abertos (que é horrível por sinal!) e até o roubado. O beijo revela o poder do ser humano de se comunicar, transformado na poesia que os poetas sempre enalteceram. Beijando podemos expressar uma gama extensiva de emoções, desde a gentileza e a ternura, passando pela sensualidade, até chegar as profundas sensações eróticas o tal do Tesão.

Feliz dia do beijo pra todos nós!


"E não há lógica que faça desandar o que o acaso decidiu..."

"Toda aquela história de que é preciso amar a si mesmo para depois amar alguém é real. O Amor só vem quando temos a grandiosidade de nos descobrirmos , de nos assumirmos integralmente a nós , ao ponto de depois podermos compartilhar o sentimento. Mas ainda é mais que isso. O Amor, intangível, incalculável, insuperável, real e perfeito tem que estar de acordo com aquilo que desejamos e que resolvemos trilhar dali adiante e , para tanto, ele exige certas medidas, certos meios de se ponderar e exige também estar na exata sintonia do outro para que não deixemos a tal da história sem final feliz."

domingo, 12 de abril de 2015



"Amar não é calmo, muito menos previsível. É viver um turbilhão de sentimentos que causam um frio constante na barriga. E é ao mesmo tempo não querer nunca que essa sensação acabe. É aprender tudo do zero, juntos."