quarta-feira, 2 de julho de 2014

Ela sempre lhe fora um suspiro, uma sugestão, a fração de um sonho, a frase perfeita de uma poesia, um sentimento e uma possibilidade, um encanto – tudo tão lindo, tudo tão distante.

Ele nunca negou a verdade, nunca negou a possibilidade de que ela existia e que seus sonhos não eram tão somente sonhos de noites amalgamadas com suspiros poéticos e desejos de amor.

Mas, algumas crenças, ainda que fortes, ficam tão no fundo das pessoas e soterradas por tantos outros desejos, aflições e emoções que, acabam virando o eco de um grito poderoso. Os ecos estão sempre distantes, ainda que presentes, distantes...

Quando ela chegou montada num corcel alado e sua voz anunciou-se dentro de seu mundo pequeno e poético, o grito veio para a superfície, novamente, e junto com ele a crença que se paria de uma placenta de sonho para dentro de um regaço de realidade.

Ele ficou ali, abobalhado, ruminando poesias para serem ditas e que foram esquecidas ante a surpresa do momento. Foram poucas as palavras, o silêncio entre ambos foi até maior do que deveria ter sido, mas, ele a sentiu do outro lado, ouviu a sua respiração, escutou sua voz suave, sentiu a batida do seu coração; para ele, não perguntem como, pareceu sentir até mesmo o cheiro da pele dela, alva como o sol da alvorada.

E, quando ela se foi, deixou em sua vida a fragrância de uma nova possibilidade, deixou instalado um novo sonho:

Iriam se ver...
 
 
Por Kyoto, Soul Society